Saturday, January 20, 2018

Wanderlust for Big Sur


Sempre quis usar essa palavra e o Big Sur me deu licença poética para falar do que é “wanderlust”! Essa palavra não tem um sinônimo perfeito na língua portuguesa e a tradução mais próxima é “o desejo irrepreensível de viajar”! Não é profundo?!? Me encontrei nesse estado de espírito assim que finquei o pé na Califórnia! Um desejo de conhecer tudo, de ficar mais, de não voltar, de me aventurar... Eita viagem deliciosa!

O Big Sur é uma região da Costa da Califórnia que fica entre San Francisco e Los Angeles. É uma das grandes aventuras americanas, uma estrada repleta de curvas sinuosas e de paisagens de tirar o fôlego! É uma das “road trips” mais famosas da Califórnia e posso dizer que é uma região mágica mesmo! Levamos 3 dias para cruzar o Big Sur, com direito a muitas paradas e 3 noites deliciosas em diferentes partes da região. Diria que para explorar a região com mais calma, o ideal é fazer em 5 dias, mas com 3 dias dá para conhecer bastante coisa.

Quando começamos a programar a viagem eu peguei um mapa e dividi esse pedaço da nossa “road trip” em 3 grandes trechos:

1) De San Fran até Carmel/Monterey
2) O Big Sur de fato (trecho da Highway 1 que vai de Carmel até Cambria)
3) E para finalizar de Cambria até Morro Bay

Para quem está se programando para visitar a região nos próximos meses atenção: um trecho muito importante da Highway 1 está bloqueado por completo devido à queda de uma barreira, num lugar que se chama Ragged Point. Aconselho acompanhar a condição das estradas no site da Caltrans (nesse link aqui também tem um mapa bastante util) para programar a viagem e a sua rota. A queda de barreiras no pedaço conhecido oficialmente como Big Sur é relativamente comum, mas essa barreira foi um ponto fora da curva: a barreira caiu em Março de 2017 e o trecho vai ficar fechado até pelo menos Junho de 2018. Isso significa que hoje é impossível cruzar o Big Sur na totalidade. O que fizemos foi conhecer tudo o que queríamos até o Ragged Point, para então dar meia volta e seguir pela Highway 101 para dar a volta por trás do Big Sur (zero charme.... é uma Highway no meio de um vale, quase que um deserto). E depois pegamos a Route 46 para chegar até Cambria. Se tiver um dia a mais para aproveitar aconselho tirar proveito desse desvio e conhecer a região de Paso Robles, que é repleta de vinícolas fantásticas!

Bom tirando esse papo de desvios e estradas fechadas, vamos ao que interessa: as dicas! Vou falar brevemente sobre tudo o que vimos em cada um dos dias! Importante: dirija devagar! Digo isso porque a estrada é repleta de pontos de interesse e pequenos mirantes, principalmente no Big Sur! Então dirigir com atenção e sem pressa ajuda a conhecer melhor! Se prepare para ficar sem fôlego ao parar em alguns dos mirantes!

Dia 3:

Half Moon Bay & Maverick: se você gosta de surf certamente já ouviu sobre Maverick, praia de ondas gigantes! As ondas gigantes são um fenômeno comum no inverno, que não foi a época em que estávamos lá. Mas paramos ainda assim e a praia é um lugar meio surreal, escondida num parque logo antes de Half Moon Bay. Adorei conhecer e ver o mar sereno num lugar aonde no geral ele é extremamente revolto!

Santa Cruz: muito engraçado, porque muitas pessoas tinham me falado que Santa Cruz é o máximo e que o calçadão que conta com um daqueles parques de diversão à beira do mar é hiper divertido. No entanto chegamos em Santa Cruz no Outono e a cidade estava meio morta. Aproveitamos para parar para almoçar um lugar chamado The Picnic Basket e foi gostosinho. Mas eu diria que você só deveria parar em Santa Cruz se for no verão, caso contrário, passe para ver o calçadão e siga viagem para Monterey!

Monterey: eu sempre tive muita aflição de aquários, achava eles meio sem sentido... Tanto mar nesse mundo, porque manter a vida marinha em aquários. Dito isso, quando me falaram do Monterey Bay Aquarium não me empolguei muito e quase pensei em pular. Porém gostaria de ter lido mais sobre para ter programado mais tempo por lá!!! Olha só como a gente paga com a língua: chegamos lá e fomos surpreendidos por um aquário de ultima geração, imenso, estonteante, incrível. Essas são só algumas das palavras que me vieram à mente! O Aquário é fantástico, aconselho reservar pelo menos umas 3 horas para visitá-lo. Também tente visitar durante a semana pois é um pouco mais calmo e conseguirá aproveitar mais. Aprendi coisas que nunca achei que fosse aprender! Foi demais! Aqui vão as duas coisas que mais amei aprender: primeiro que o aquário tem uma missão de conservar a vida marinha da região, que diga-se de passagem é hiper rica! É um pouco contra-intuitivo, mas além de trazer mais conhecimento aos visitante e inspira-los a conservar os oceanos e a vida marinha, o aquário tem a missão de resgatar animais machucados, tratá-los e reintroduzi-los ao seu habitat. Por essa razão os ecossistemas que fazem parte do aquário tem uma função específica na preparação para reintroduzir os animais. Hiper interessante e amamos entender isso! A segunda coisa que amamos foi conhecer a vida marinha que habita a Costa do Big Sur: isso foi essencial para o dia que passamos em Cambria munidos de um binóculo!!! Enfim, resumindo: o aquário é imperdível!

Big Sur, parte 1: De Monterey seguimos direto para o Big Sur... Esse trecho da estrada é surreal, as curvas são hiper sinuosas, falésias e penhascos sem fim! Enfim um suspiro a cada curva! Existem muitas paradas e mirantes, pode parar em cada um deles: é uma surpresa a cada penhasco! Esses mirantes são sinalizados por placas de “vista point” e muitas vezes as plaquinhas aparecem do nada... Então aproveite! Quem assistiu aquele seriado fantástico da HBO “Big Little Lies” vai se lembrar da Bixby Creek Bridge, que aparece na entrada da série! É maravilhosa e tem alguns pontos para você parar e admirar essa ponte que foi construída em 1932! Outro lugar que nos chamou a atenção foi o Point Sur Light Station, um dos únicos faróis que podem ser visitados nos Estados Unidos: é um grande complexo e os tours duram 3 horas. Depois de muitos “vista points” e muitas milhas, decidimos parar para “almojantar” (almoço + jantar) no Nepenthe! Esse restaurante tem uma vista privilegiada para a costa e vi o por do sol mais surreal de toda a minha vida! Por isso recomendo demais tentar se programar para chegar lá no final do dia! Amamos jantar por lá, ao ar livre, curtindo a vista, foi mágico!


Onde dormimos nessa noite: Glen Oaks
Para quem estranhou, devido ao bloqueio da estrada, pulamos o Carmel nesse dia e deixamos para conhecer a cidade no dia 4 da viagem. Seguimos direto para o Big Sur e foi uma decisão super acertada! Decidimos dormir no meio do Big Sur, num hotel chamado Glen Oaks, absolutamente maravilhoso, ficamos numa cabana fantástica, no meio de uma floresta de Redwoods, árvores gigantes que são parentes das Sequoias, mas mais finas e mais altas! Amamos dormir ali no meio daquela imensidão toda! A nossa Cabin era hiper aconchegante, tinha seu próprio “fire pit” para fazermos marshmallows no fogo que nem nos filmes: amamos! (Para quem quer conhecer outras opções de estadia, aconselho o Ventana Big Sur e o Post Ranch Inn).

Dia 4:

Julia Pfeiffer Burns State Park: acordamos hiper cedinho para conhecer esse parque maravilhoso! De lá pegamos uma trilha bem curtinha que passa embaixo da estrada e nos leva ao mirante para admirar a McWay Falls, uma queda d’água fantástica! Vimos o dia começar por lá e foi mágico! Preste atenção na história do lugar... aliás fica a dica que grande parte dos mirantes tem grandes painéis que contam um monte de fatos interessantes da região, e esse local tem uma história hiper interessante!

Big Sur Roadhouse: voltamos para o hotel Glen Oaks para fazer o checkout e tomar um café da manhã no Big Sur Roadhouse, que é um café/restaurante que faz parte do hotel e fica à beira da estrada (como o próprio nome diz)! O lugar é hiper charmoso e tem um donuts muito muito bom!

17 Mile Drive: de lá seguimos viagem para Carmel, já que no primeiro dia havíamos pulado a cidade charmosinha! Mas antes de nos perdermos pelas vielas de Carmel, aproveitamos para fazer a 17 Mile Drive! Foi demais! É uma estradinha que é tipo uma condomínio/clube/campo de golfe/área de conservação! Enfim um lugar hiper surreal! Ao entrar na 17 Mile Drive, você recebe dos Rangers um mapa hiper detalhado com todos os pontos de interesse do Drive. Diria que o ponto alto é o Lone Cypress, um cipreste que fica sozinho numa pedra à beira do mar. É lindo, contemplativo, te faz pensar... Amamos fazer, é tudo hiper bem sinalizado, o lugar tem casas lindas, os campos de golfe são um show à parte, a praia é também linda!


Carmel: eita cidadezinha fofa! Foi o lugar perfeito para parar o carro, passear a pé e se perder nas vielas. Almoçamos no La Bicyclette, restaurante francês charmosinho e delicia que fica bem no centrinho! Foi uma delicia! A cidade é repleta de lojinhas, restaurantes e cafés! Se não for passar a noite em Carmel, reserve pelo menos umas 3 horinhas para almoçar e curtir a cidade. Antes de pegarmos a estrada, aproveitamos para encher o tanque e parar num café francês chamado Lafayette Bakery, que fica localizado na saída para a estrada. Como eu disse no início do post, devido ao bloqueio da Highway 1, seguimos de Carmel direto para Cambia via a Highway 101/Route 46.


Cambria: sabe aqueles lugares que você não tem nenhuma expectativa?! Foi tipo o aquário... Escolhi passar a noite lá porque achei o hotel hiper bonitinho e com preço bom! Caímos de amores pelo Cambria Beach Lodge: é um hotel boutique, lindinho, na beira da estrada, hiper charmoso, moderninho! Amamos o esquema do hotel, o fato de que eles têm um super mapinha da cidade com todos os pontos legais, o fato de que oferece binóculos e bicicletas, tudo nele foi pensado para ser aconchegante! Amamos! Logo que chegamos convenci o Fred a não se jogar na cama e ir dar uma volta na praia para ver o Por do Sol. Pensei comigo mesma: “se eles têm um binóculo no quarto, deve ter algo de interessante para ser visto na praia!”. E não deu outra: vimos duas famílias especiais, uma de focas e uma de lontras! Foi demais! Como já tínhamos ido ao aquário, tínhamos aprendido um monte sobre as lontras e foi o máximo vê-las em ação! Ficamos um tempão lá, só admirando a Moonstone Beach e a vida marinha rica do lugar! Praticamente vizinho do hotel tem o restaurante Sea Chest Oyster Bar: jantamos lá e foi uma noite muito delicia! O restaurante estava hiper cheio, o bar tinha varias jogos divertidos e ficamos lá bebericando e jogando até nossa mesa ficar pronta. A comida estava muito muito gostosa! Saímos gordinhos e felizes!

Dia 5:

Piedras Blancas State Marine Reserve: antes de sairmos de Cambria aproveitamos para ir conhecer essa reserva ambiental! Foi surreal: é uma praia que serve de casa para uma colônia gigantesca de elefantes marinhos! Você consegue observar eles bem de pertinho (perto o suficiente para sentir o hálito de cada baforada deles)! O binóculo não foi nem necessário... Amamos!

Seguimos viagem em direção à Solvang, mas antes de falar dessa cidade fofa, vou dar uma dica para quem tiver mais tempo que nós. Bem pertinho de Cambria fica a cidade de San Simeon. Lá existe uma mansão que é tão enorme que na real é um castelo. Se tiver chance, faça um tour do local: Hearst Castle. É um mundo à parte... Dizem que o passeio vale super!

Outra dica é parar para admirar o Morro Rock, que fica na cidade de Morro Bay. É lindo!


Solvang: essa cidade é uma aldeia dinamarquesa no meio da Califórnia! Com direito até a uma réplica da famosa sereia que fica em Copenhagen. Almoçamos lá num restaurante chamado Paula's Pancake House: é um diner que tem as melhores panquecas da vida! Amamos ter ido durante a semana, pois dizem que aos finais de semana à espera é hiper longa! Sentamos nas mesinhas da rua, é um restaurante simples, lembra o serviço de um típico “diner” americano. Depois nós demos uma volta, entramos em algumas lojinhas, tomamos um café delicia no café da The Book Loft, e amamos a lojinha de balas dinamarquesas Swedish Candy Store. Fica a dica que o hotel The Landsby é hiper charmoso e pode ser um bom local para passar a noite.

Santa Barbara: Depois desse mini passeio seguimos viagem para Santa Barbara! O caminho para lá é lindo... Atenção para o Lake Cachuma que fica no caminho! Fizemos o check in no hotel que passamos a noite: o The Wayfarer. É um hotel boutique charmosinho que fica bem num pedaço de Santa Barbara chamado de Funky Town. É uma região repleta de novidades, demorei para me entender com a cidade, mas agora estou com vontade de voltar para explorar melhor. Tomamos um porre inesquecível explorando a “Urban Wine Trail”, um roteiro de vinícolas que ficam concentradas no centro da cidade e que podem ser todas visitadas a pé! Achei a ideia brilhante, pois não envolvia ter que pegar um carro! Mal sabia eu que esse seria o fato determinante do meu porre! Conhecemos 3 vinícolas: a Kunin, a DV8 e a Municipal! Saí trançando as pernas, munida de meia dúzia de garrafas de vinho para levar para casa! Foi histórico! Se tiver mais tempo do que nós, recomendo passar 2 dias inteiros para explorar mais a cidade! Por exemplo, a Urban Wine Trail conta com mais de 20 vinícolas! Impossível fazer todas de uma vez! Outra dica incrível é guardar espaço para tomar um café da manhã na Helena Avenue Bakery, um padaria maravilhosa! Além disso, para quem quer cair nas comprinhas, a State Street, que é praticamente o centro comercial da cidade, é repleto de lojas muito boas... Jantamos num lugar da modinha que se chama The Lark: não gostamos, mas não acho que foi culpa do restaurante, acho que foi culpa do nosso porre mesmo. O lugar em si era super descolado, estava lotado, e recomendo para quem gosta de um agito!

Enfim, chegamos agora no último pedaço da viagem, que ficou para o último post que vem na sequência: Los Angeles - City of Stars... Saímos do Big Sur absolutamente apaixonados pelo lugar, pelo clima, pelo astral, por tudo! E o que sinto agora é puro “Wanderlust”: um desejo irrepreensível de viajar de novo para lá!

Sunday, November 26, 2017

I left my heart in San Francisco

Chega de espera e vamos logo falar de San Fran! Eita cidade linda! Saímos de lá apaixonados e segue aqui todas as dicas!!!



Dias 1 e 2: San Francisco

Hotel:

Zephyr >> foi perfeito para o que estávamos procurando: um hotel relativamente novo, confortável, com preço bom e uma localização hiper conveniente para os passeios que fizemos.

Passeios:

Bike de San Fran para Sausalito cruzando a Golden Gate Bridge: alugamos as bicicletas no Blazing Saddles. Eles têm muitas bicicletas de vários tipos e te dão o mapa certinho para o percurso, além do ticket para voltar de ferry de Sausalito, o que é mega prático para quem não pretende voltar pedalando! Passeio absolutamente maravilhoso! Tem um bocado de subidas, mas foi demais! Vimos a Marina Blvd, o Presidio Park, o Crissy Field, o Fort Point (tem uma vista especial para a Golden Gate). Cruzar a Golden Gate de bike é especial demais e vou contar algumas coisas que é importante você saber: leve um casaco apropriado para a época que for fazer o passeio (pode ficar frio de verdade no caminho), se prepare para uma boa subida para chegar no acesso da ponte, tente não parar no meio da ponte (a não ser que tenha espaço no recuo), se prepare pois pode ventar bastante em cima da ponte, e aproveite o passeio! Para quem perguntou, o passeio é tranquilo, diria que 80% dele é feito em ciclovias e faixas para ciclistas, você tem que estar minimamente acostumado a andar de bicicleta e tem algumas subidas no caminho. Depois que cruzar a ponte, o caminho para Sausalito é super bem sinalizado, numa estrada bem tranquila e com espaço para as bikes (não é uma estrada exclusiva para bikes, mas todo mundo respeita e é uma decida tranquila). Em Sausalito aproveitamos para almoçar no Bar Bocce que é um restaurante na beira da baía, tem uma pizza maravilhosa e você pode comer e bebericar na praia! Muito delicia! Voltamos para San Fran de ferry e foi muito delicioso, ganhamos mais fotos maravilhosas da Golden Gate e da Baía de San Fran!

Painted Ladies do Alamo Square: visitamos as casas vitorianas que ficaram conhecidas pela entrada do seriado "Full House", mas que também apareceram e um monte de outros filmes! A praça em si, chamada de Alamo Square, tem uma vista linda para Downtown San Francisco! É o passeio perfeito para o final de tarde, tem um por do sol especial!

Sorvete: em NY tomamos bastante café, mas nessa viagem tivemos muita vontade de tomar sorvete! E para a nossa surpresa descobrimos que San Fran bate NYC nesse quesito! Aqui vão as nossas preferidas: Honey Creme (melhor sorvete "soft serve" da vida e vem com um favo de mel!) e Humphry Slocombe (o sabor "Harvey Milk & Honey" é surreal de bom)!

Alcatraz: quando vim para San Fran pequena a minha mãe achou que esse passeio não era apropriado... Então sempre tive curiosidade! Lembro super dela mostrando o Alcatraz de longe... Primeira dica: se for visitar San Fran já corre para o site deles e compra o ingresso com antecedência. É um passeio hiper concorrido e tem um número limitado de visitantes por dia. Aconselho muito ir no primeiro barco, no horário que eles chamam de "Early Bird": você vai chegar lá e a ilha não estará lotada e vai conseguir aproveitar mais o passeio. Como todo passeio em San Fran, leve um casaco, pois pode ficar friozinho. Ao contrário do que eu achava, não senti uma energia ruim ao visitar o Alcatraz: é um local que tem muita história, muito mais do que eu imaginava, e os Park Rangers estão super preparados para te guiar e contar muitas histórias do local. O seu ingresso te dá direito a um "audio guide" fantástico narrado pelos próprios ex-prisioneiros e carcereiros (na versão em inglês) e tem uma versão em português que me falaram que é ótima. O guia é fantástico, conta muito do local e da sua história! Além dele, eles exibem também um filme muito bom produzido pelo Discovery Channel e que é um ponto de partida fantástico para o passeio. Amamos demais! Demoramos cerca de 2 horas para fazer o passeio. Atenção que o ferry que leva até lá também passa pela baía e te dá de presente uma vista maravilhosa em dias bonitos (San Fran é conhecida pela neblina e clima instável, mas demos muita sorte! Outubro é uma época ótima para visitar tanto San Fran quanto o Big Sur...)!

Ferry Building: essa ainda é a estação aonde alguns ferries atracam, mas o edifício foi todo restaurado e ganhou uma porção de lojas charmosas e restaurantes muito bons! Nós fomos lá especialmente para almoçar no Hog Island Oyster Company, que é um restaurante especializado em ostras e frutos do mar! Foi maravilhoso e pedimos além das ostras uma Chowder maravilhosa!!! Além disso algumas lojinhas que nos chamaram a atenção foram a Heath Ceramics, a Stonehouse California Olive Oil e a The Gardener! Encurtando a história, saímos do Ferry Building super felizes com o que comemos e cheios de sacolas!

Chinatown: outro programa que adoramos foi conhecer Chinatown! Essa é a maior e mais antiga comunidade chinesa estabelecida nos Estados Unidos. É super interessante e você realmente se sente em algum lugar que não SanFran! Aproveitamos para conhecer a Golden Gate Fortune Cookie Factory e foi super divertido descobrir como os famosos biscoitos da sorte são feitos e posso dizer que foram os melhores que já comi!

Go Car Tours: numa tarde ensolarada decidimos alugar um daqueles carrinhos amarelos que vimos pela cidade! Foi um dos passeios mais divertidos que fizemos na vida! Dirigimos até a Golden Gate e depois andamos pela cidade até a famosa Lombard Street (aquela ruela famosa cheia de curvas!)! Foi super divertido descer ela com o Go Car! Você precisa ter uma carteira de motorista válida (pode ser a brasileira mesmo) e ser maior de 21 anos para poder alugar. Recomendamos demais!

Cable Car: não tem jeito, ir à SanFran e não andar de Cable Car, é o mesmo que ir para o Rio de Janeiro e não ver o Cristo! Demoramos um tempo para entender como eles funcionam e a diferença entre eles e os Streetcars. Basicamente os Streetcars são similares aos ônibus elétricos que existiam em algumas grandes cidades brasileiras. Os Streetcars são um meio de transporte realmente usado no dia a dia de quem mora na cidade. Já os charmosos Cable Cars são uma real atração turística, foram inventados na cidade em 1873 e são realmente “puxados” por cabos que circulam no subsolo. Aconselho muito vocês começarem o passeio pelo San Francisco Cable Car Museum que além de ser hiper interessante é de graça! Aprendemos tudo sobre eles e o nosso passeio de Cablecar depois ficou ainda mais interessante. O bilhete para andar neles custa 7 dólares e pode ser pago ao cobrador em dinheiro. Quando pegar o Cable Car não se assuste se tiver que ficar pendurado do lado de fora! É normal e super divertido!

Battery Spencer & Marin Headlands: admiramos a Golden Bridge de diversos ângulos e locais diferentes! Mas no último dia não resistimos e fomos visitar o Battery Spencer que é um dos mirantes que tem vista para a Baía e para a ponte! Fomos de carro, mas dá para chegar lá de bicicleta! A vista é surreal e se você tiver sorte pode ver a baía toda de lá (lembra da neblina que é super comum né...). 



Restaurantes: vocês sabem que o que mais amo na vida é comer! Então aqui vai um compilado do que amamos e também algumas outras boas indicações!

Frances (3870 17th Street - Castro - 415.621.3870): amamos demais jantar nesse restaurante no Castro! Hiper charmoso e a comida estava maravilhosa. Perfeito para um date night! A Chef dele tem mais um restaurante que se chama Octavia e que dizem ser maravilhoso também!

Hog Island Oyster (1 Ferry Blvd. 11a - The Embarcadero - 415.391.7117 - no reservations): contei sobre ele antes nesse post já... Amamos!

Boudin Bakery (160 Jefferson Street): essa “padaria” lembra muito as brasileiras, coisa rara aqui nos Estados Unidos. A especialidade é o Sourdough (uma espécie de pão italiano se for comparar com algo comum no Brasil). Recomendo demais o French Toast de Sourdough!

Omakase (665 Townsend St - 415.865.0633): eu já sabia que os restaurantes japoneses da Costa Oeste eram especiais e esse foi o melhor restaurante japonês que comi na vida! Prepare o bolso, o menu só é servido da maneira que o próprio nome diz: Omakase (que quer dizer literalmente “confie no chefe”, ou seja, menu degustação)! Fantástico!

Tivémos pouquíssimo tempo e não conseguimos provar tudo o que gostaríamos. Aqui vão mais alguns que gostaríamos de ter ido, quem sabe vocês conseguem conhecer:
Cafés & Sorvete: Jane on FillmoreTartine BakeryMr Holmes BakehouseMitchell's Ice-cream
Restaurantes para jantar: Leo's Oyster BarIzakaya RintaroOzumoPresidio Social ClubSons & Daughters, Saison
Lugares tranquilos para almoço: Tacolicious, The Tipsy Pig

Saturday, November 11, 2017

California here we go!


Há muitos anos meu marido e eu sonhávamos com uma viagem de carro conversível pela Califórnia! Temos ainda uma lista extensa de lugares que queremos conhecer por aqui, mas posso dizer que essa foi uma viagem absolutamente incrível! Começamos em San Francisco e dirigimos até Los Angeles! Tem tantos lugares maravilhosos que passamos que vai ser difícil descrever em palavras o quanto aproveitamos! Existe muito mais para ser visto, mas vou começar a passar por aqui um resumo do que fizemos! Assim fica a base para quem quiser aprofundar...

Eu vou dividir os posts em 3, de acordo com as regiões que visitamos, então fiquem atentos aos próximos posts.

Dias 1 e 2: San Francisco

Dias 3 a 5: Big Sur

Dias 6 e 7: Los Angeles

Esse roteiro pode ser organizado de muitas formas, mas já aviso que passar os 7 dias é o mínimo para conseguir aproveitar minimamente os lugares aonde vão passar. Diria que talvez o ideal seria fazer em 10 ou 15 dias.

Vou já aproveitar para deixar aqui a informação da empresa que usamos para alugar o carro porque gostamos muito! Só pegamos o carro no dia 3 e ficamos com ele até a chegada em Los Angeles no dia 6. Foram 4 dias de aluguel e escolhemos a Sixt porque eles tinham carros melhores, uma localização perfeita próxima dos dois hotéis tanto no dia da retirada em SanFran quando no dia da devolução em Los Angeles. Sem contar o preço imbatível: pegamos uma BMW conversível por um preço melhor que os carros medianos da Hertz ou Avis! Então fica a dica...

Fiquem ligados que nos próximos dias vou publicar os roteiros detalhados da viagem!

Monday, September 4, 2017

My kind of town, Chicago is


My kind of town, Chicago is… Voltei de viagem apaixonada por essa cidade! Sempre me disseram que Chicago era incrivel, que eu tinha que conhecer, e que em algumas coisas era melhor bem que NYC... E sim, concordo com tudo o que me disseram e gostei muito de ter visitado essa cidade linda (e limpa!!! O contraste com NYC nesse sentido chamou minha atenção)! Eu escolhi visitar no fim do verão para poder aproveitar os programas ao ar livre e foi uma ótima escolha. Como vocês bem sabem eu não tenho o menor medo do frio e amo o inverno, mas acho que se fosse recomendar para alguém que nunca visitou Chicago não recomendaria o inverno pois ele pode ser bem cruel. Ficamos na cidade apenas 3 dias e diria que para conhecer a cidade por inteiro com calma, 4 ou 5 dias são suficientes. O centro da cidade é relativamente pequeno, dá para fazer tudo a pé, e para os programas que ficam mais afastados usamos uber ou metro. É muito fácil se localizar na cidade!

Vou passar aqui as dicas do que fizémos e também as dicas que nos passaram e não conseguimos aproveitar por causa da falta de tempo. Acho que para quem conhece NYC super bem e quer testar um outro centro urbano, Chicago é uma super opção pois oferece excelentes restaurantes, uma arquitetura incrível, passeios muito divertidos, e tem até peças incríveis da Broadway em cartaz na cidade (Hamilton e Alladin por exemplo). Bom aqui vão as dicas:

Hotel: ficamos hospedados no Chicago Athletic Association e amamos! O hotel tem um bom custo beneficio e uma localização imbatível, ficando extremamente proximo das melhores atrações! O prédio do hotel era literalmentea casa de um clube esportivo de mesmo nome, e  foi totalmente restaurado e reaproveitado para um novo uso (aliás reaproveitamento de espaços é uma palavra chave na cidade, falo disso mais para frente). A restauração ficou maravilhosa e o hotel é muito bom, os quartos são lindos e até o nosso quarto que era o mais simples era espaçoso. Destaque para as opções de entretenimento no próprio hotel que conta com 4 restaurantes, 2 coffee shops, 2 bares, todos incriveis. Falo de todos os que aproveitamos mais para frente.


Passeios: Chicago é uma cidade hiper rica culturalmente e tem passeios maravilhosos! A arquitetura da cidade é maravilhosa e merece um destaque absoluto no nosso roteiro! Eu recomento demais fazer o passeio de barco no canal que é maravilhoso para quem gosta dde arquitetura e quer entender mais sobre a história da cidade do ponto de vista arquitetônico. Existem algumas companhias que oferecem esse passeio, mas o melhor de todos e único que indico é o da Chicago Architecture Foundation: foi absolutamente maravilhoso! Diria até que esse passeio mudou o nosso ponto de vista da cidade e enriqueceu a nossa estadia na cidade, então faria ele no primeiro dia, de preferência de dia para conseguir enxergar a riqueza de detalhes.

Não conseguimos aproveitar por pura falta de tempo, mas que quer ir um passo além, deixo a dica da minha amiga Betina do guia “Off the Map Architectural Excursions”, que oferece além do tour do centro da cidade, um tour inc’rivel da região de Hyde Park, bairro que tem casas incriveis de arquitetos como Frank Lloyd Wright (vulgo, o arquiteto que fez o conhecido prédio do Guggenheim Museum em NYC). Além disso, me recomendaram também outros 2 tours super interessantes organizados pelo Chicago Elevated, que tem dois tours super diferentes do centro: o tour do Pedway, que é a cidade subterrânea, e  um tour de Binóculo, idéia fantástica para os amantes de arquitetura que vão amar conhecer os detalhes dos prédios!!

Chicago é também uma cidade incrível para quem gosta de esportes. Fomos a um jogo de baseball do Cubs (time amado na cidade e que tem uma torcida apaixonada) no Wrigley Field! Foi uma experiencia maravilhosa, o estádio é pequeno e te dá uma sensação de estar ali no campo com os jogadores!

A cidade é hiper plana e a “orla” do Lake Michigan tem uma ciclovia maravilhosa! Chicago conta com um sistema compartilhado de bicicletas, as Divvy Bikes, que estão por toda parte, e pegamos uma delas para passear na ciclovia! Foi uma manhã maravilhosa, hiper divertida, e você terá a chance de ver a vista maravilhosa do centro da cidade! Enfim, imperdível!

Falando em Arte, outro passeio imperdível é o Art Institute of Chicago, que tem um dos melhores acervos do mundo e é maravilhoso! Atenção para a galeria impressionista que não deixa nada a dever para o MET em NYC, e também para a galeria modernista que fica na ala nova do museu e é também incrível! Recomendo comprar ingressos antes para evitar filas, aliás o mesmo vale para quase todas as atrações da cidade. Vale destacar que Chicago é uma cidade que investiu bastante em trabalhos de arte de grandes dimensões em espaços públicos, são mais de 500 obras expostas por toda a cidade! Com destaque para o The Picasso, o Cloud Gate do Anish Kapoor, a Crown Fountain do Jaume Plensa, o Flamingo do Alexander Calder. Aqui nesse link tem um guia completo com todas as obras.

Aproveitando que falei em filas, não deixe de visitar oSkydeck, que fica na Willis Tower (antiga Sears Tower). Apesar de não ser mais o edificio mais alto do mundo, ele é o segundo dos Estados Unidos perdendo apenas para o One World Trade Center em NYC. A vista é fenomenal e a experiência de pisar numa caixa de vidro (detalhe para o chão de vidro) é surreal! As filas são absurdas, então recomendo demais comprarem o fast pass. Existe também a Hancock Tower, que também conta com um observatório na cidade, chamado de 360 Chicago. Mas a melhor dica talvez (mas que não tivémos tempo de checar) é visitar o Signature Lounge (que fica na Hancock Tower e tem uma vista incrível!).


Restaurantes: a cena gastronomica da cidade é hiper excitante e uma das melhores coisas de Chicago. Acho que para conhecer tudo o que queria, teria que ter feito 20 refeicões por dia! Os restaurantes são concorridos, recomendo fazer revervas quando possível. Jantamos no Elske e no RoisterAmbos oferecem menus degustação além do tradicional menu a la carte. Sobre o Elske, o menu é escandinavo e a comida é maravilhosa! Se estiver uma noite agradável ele tem um pátio externo muito gostoso que recomendamos bastante. Sobre o Roister, o restaurante é o mais despojado dentre todos os restaurantes do grupo Alinea, e a grande graça é fazer a reserva para sentar no Hearth (que é a cozinha/churrasqueira) para poder ver toda a ação da cozinha. Tomamos brunch em dois restaurantes que também amamos: o primeiro foi no Longman and Eagle que fica em Logan Square e é super descolado (hipster até diria...)! A espera pode ser chatinha, mas na parte de trás do restaurante eles tem um café que serve donuts maravilhosos! O segundo foi no Beatrix, fomos na unidade de Fulton Market e saímos de lá rolando de tanto que comemos!!! Atenção para a Dutch Baby Pancake que é de comer ajoelhado, e para as Mimosas com suco de morango! (Levamos um cookie de nutela do beatrix para comer no avião e nem preciso dizer que estava surreal né?!?). Almoçamos um dia no Cindy’s Rooftop (que fica no hotel em que ficamos), diria que é um lugar ótimo para tomar uns drinks no verão porque a vista é fantástica, mas a fila para quem não é hóspede pode ser enorme, então lembre disso para planejar de acordo. 

Segue aqui uma lista de todos os outros lugares que nos recomendaram e que não tivémos chance de provar. Aconselho entrar nos links para checar menus e fazer as suas escolhas, mas todas as dicas são de confiança então pode confiar. Vou colocar aqui todos os links por ordem alfabética para facilitar: Alinea ;Arts Club Cafe Au Cheval ; Avec ; Cellar Door Provisions ; Doughnut Vault ; Giant ; Girl and the Goat ; Kitsune ; Little Goat Diner ; Mi Tocaya Antojería ;  Monteverde ; Next ; Publican ; Smyth and the Loyalist ; The Allis ; The Hampton Social.

Bares: acreditem se quiser, além de tudo o que fizémos ainda tivémos a chance de conhecer 2 bares na cidade! O The Milk Room fica dentro do nosso hotel, e é um speakeasy (bar que fica escondido e celebra a era da Prohibition) que tem apenas 8 lugares, por isso é essencial se fazer uma reserva. O bar é bastante especial, conta com uma carta de bebidas alcoólicas vintage fantástica e os barman’s são muito muito bons! Já o segundo bar é mais uma invenção Grupo Alinea, funciona como um lounge aonde drinks hiper criativos são servidos, meio que no espirito da restaurante principal (o Alinea apareceu na primeira temporada de Chef’s Table). Chamado The Aviary, não fez muito o nosso estilo, achei a apresentação dos drinks fantástica, mas o gosto duvidoso. Enfim, o bar é bastante famoso e vai abrir logo mais em NY. Falando em NY antes de viajarmos visitamos o Speakeasy do mesmo grupo, chamado The Office, e recomendamos demais o de Chicago: no mesmo estilo do The Milk Room, é um bar mais clássico que conta com uma carta de bebidas vintage e é fantástico. Atenção, os 3 bares que mencionei precisam de reserva.

Wednesday, June 21, 2017

Apple Bites - Spring Edition: os 20 restaurantes da Primavera!


Estou devendo essa lista desde o final da primavera! Eu sei... Mas antes tarde do que nunca, e já que estamos virando a esquina e entrando no verão, chegou a hora de compilar aonde comemos nos últimos tempos. Lembrando que essa é uma “short list” daonde fomos nos últimos meses, porém a lista do inverno ainda continua hiper válida... Aliás no geral, a maior parte dos lugares que estão aqui nas listas do blog são lugares que voltamos com uma certa frequência! (pequeno outro lembrete: entre no site do restaurante, se eles aceitarem reserva não deixe de fazer... NYC funciona dessa forma, todo mundo faz reservas e muitas vezes, a não ser que o restaurante não as aceite, conseguir uma mesa sem uma é quase impossível!). Outra coisa importante, essa lista não está em ordem lógica nenhuma... Pode ter certeza que se está na lista gostei da experiência! Não me dou ao trabalho de escrever sobre lugares que não gostei...

1.       Fowler & Sons (5 Beekman St – 212.658.1848): esse é um hotspot para drinks! O bar é simplesmente sensacional, sem contar que fica em um edificio histórico, o Beekman. Fomos também tomar um brunch que estava muito delicioso, mas com certeza é mias badalado durante a noite!
2.       Cookshop (156 10th Ave – 212.924.4440): esse aqui é um brunch clássico em Chelsea e que gostamos demais! Hiper badalado nos finais de semana, se prepare para uma certa espera e não deixe de fazer uma reserva. Em especial, não deixe de pedir os Beignets (lembra um bolinho d chuva, maravilhoso)!
3.       Polo Bar (1 E 55th St – 212.207.8562): amo visitor um lugar depois que o fator “novidade quente do momento” passou. Eu acho que só assim conseguimos literalemente sentir qual é a do lugar. Eu tinha um pouco de birra da fama “blogueira” (não gosto muito do que esse nome representa... e olha que tenho um blog!) e confesso que passada a birra tivémos uma noite muito divertida! O restaurante é lindo e hiper charmoso, a comida estava uma delicia (o menu é clássico “american” e não tem nenhuma grande novidade, mas eles entregam o que prometem), e foi um jantar muito gostoso! Gosto que é um ambiente um pouco mais formal! (Nem pense em chegar aqui sem uma reserva)
4.       Union Square Cafe (101 E 19th St – 212.243.4020): como reviver um clássico da cidade que ficava no mesmo local há 30 anos e de repente perdeu o espaço... É sem dúvida alguma um desafio, mas um desafio que o Danny Meyer tirou de letra! O espaço novo é maravilhoso, o restaurante é espaçoso, tem grandes janelões, um bar super charmoso e um mezanino que dá uma vista privilegiada ao resto do restaurante. Fomos para o brunch: memorável, voltaremos com certeza!
5.       Cafe Clover (10 Downing St – 212.675.4350): esse é o restaurante perfeito para um “Girls Night Out” (ou GNO como chamamos aqui!)! Além de ser super charmoso e ficar no West Village, o menu tem pratos super interessantes! Fomos jantar e gostamos muito!
6.       Aureole (135 W 42nd St – 212.319.1660): muitas vezes achar um restaurante próximo o bastante da Broadway para um jantar pré-teatro pode ser um desafio... Muitos lugares turísticos e muitos turistas acabam sempre me fazendo desistir! Mas o Aureole é uma ótima pedida se além de ir ao teatro você quiser um jantarzinho um pouco mais especial! A localização dele é perfeita, o lugar é “fancy” e o menu é bem gostoso. 
7.       Hao Noodle and Tea (401 6th Ave – 212.633.8900): esse foi o melhor restaurant chinês que fui em NY e olha que o que não faltam aqui são bons candidatos! O menu é simplesmente maravilhoso, já fiz até outra reserva para voltar lá em breve! Gostei muito que o menu tem fotos dos pratos, pode parecer estranho e meio “coisa de pizzaria”, mas é essencial para você entender o extenso menu que muda a cada estação! Comemos maravilhosamente bem! Se restaurante chinês para você é o “China in Box”, me faz um favor e visite esse restaurante: vai mudar a sua vida e mudar o que voê acha sobre a culinária chinesa! Sem contar que o lugar é super super charmoso!
8.       Cosme (35 E 21st St – 212.913.9659): sou alucinada por comida mexicana e já falei sobre esse restaurante antes... O chef Enrique Olvera é brilhante e serve o que eu chamaria de culinária mexicana contemporânea. Dessa vez fomos testar o Brunch e foi sensacional! Não deixe de ir pelo menos uma vez no brunch só para se dar a chance de comer o churros que é surreal!!!!
9.       Contra (138 Orchard St): OMG! O que dizer sobre esse restaurant maravilhoso! A primeira coisa que me vem a mente é o pão maravilhoso! Mas logo me lembro que foi um dos menus degustação mais justos que experenciei na vida! Preço justo, pratos que me surpreenderam, comida muito muito deliciosa! Hiper descolado, foi um jantar que vai ficar na minha memória afetiva por um bom tempo! O “wine pairing” (harmonização de vinhos) tem um preço extremamente bom e recomendo demais!
10.   Flora Bar (945 Madison Ave – 646.558.5383): eu também já falei desse restaurante aqui, fomos logo que abriu para jantar e voltamos dia desses para almoçar! Fica dentro do museu MET Breuer, que é um prédio icônico e o restaurante se aproveita muito bem do espaço incrivel! Foi maravilhoso como sempre e fica o destaque para o espaço externo que é perfeito para uma noite quente de verão!
11.   Tartine (253 W 11th St – 212.229.2611): vou começar falando que esse restaurant é um BYOB (“Bring your own bottle” ou “leve a sua própria garrafa”), ou seja ele não vende bebidas alcoólicas porém você pode levar o que quiser beber!!! Se tem uma coisa que é relativamente cara em NYC é a bebida, então restaurante BYOB são uma ótima economia! Segunda grande observação: esse restaurante não aceita reservas! Fica na esquina mais charmosa do West Village e é o lugar perfeito para uma noite romântica, mesmo que tenha que esperar um pouco para sentar! E o mais importante a comida além de ser maravilhosa é super em conta! Ou seja, ele ganhou a triplice coroa: Bom, Bonito e Barato!!!! (ps: já apareceu aqui em outros carnavais! Não é novidade, mas está no meu coração!)
12.   Empellon (510 Madison Ave – 212.858.9365): contei aqui que amo uma comida mexicana e uma boa margarita! Esse é uma boa pedida se estiver procurando um bom restaurante em midtown (que carece um pouco de opções interessantes). Bons drinks, boa guacamole e bons tacos!
13.   Barbuto (775 Washington St – 212.924.9700): super baladado e bem animado, bonds drinks e um frango feito no forno a lenha que é de comer ajoelhado!!! Só aceita reservas para mesas de 3 ou mais pessoas. Para casais/duplas, não precisa de reserva, e esperar no bar faz parte da festa! Fantástico para noites quentes de verão!
14.   Via Carota (51 Grove St – 212.255.1962): não aceita reservas, ponto final. Esperar faz parte do charme desse restaurante italiano maravilhoso!!!!!!! Vou voltar com certeza! E não só uma vez, vou voltar várias vezes... voltaria todo dia se pudesse! Todo o menu é memorável... Amei demais! Fora que fica no West Village, meu bairro queridinho!
15.   Gran Eléctrica (5 Front St, Dumbo – 718.852.2700): ahhhh esse jardim! Se estiver uma noite linda e quente de verão, esse jardim é perfeito! Comida mexicana muito boa e barata! Margaritas sensacionais! Já me vejo voltando aqui em breve, antes que o frio nos condene a ficar em ambientes escuros e fechados!
16.   Pig Bleecker (155 Bleecker St): se tem um petisco que amo é o “Pig in a Blancket”, que é um classico americano! Se fosse descrever isso para algum brasileiro, nada mais é que um enroladinho de salsicha, com a grande diferença que aqui na “América”, como eles gostam de dizer, a salsisha é maravilhosa! E sim, o nome desse restaurante já diz tudo, aqui tem esse petisco e ele tem um nome bem “fancy”: Pigs in Parker House Rolls with Pig Beach Mustard Sauce! Exciting! Ah o resto do menu é uma delicia também e ele fica num ponto muito bom da Bleecker!
17.   Lilia (567 Union Ave, Williamsburg – 718.576.3095): se tem duas presenças fortes nessa lista são italianos e mexicanos! Ambos batalhando pelo meu coração! Eu passei o jantar inteiro no italiano Lilia suspirando de amor: pela trilha sonora, pelo ambiente, pela comida, pelos drinks, ... The list goes on... Foi muito amor por uma noite só, tanto amor que já estou sonhando com o meu retorno!
18.   I Sodi (105 Christopher St – 212.414.5774): mais um italiano, mais um restaurante no West Village, mais um caso de amor! Pequenino, charmoso, e extremamente bom! Não recomendo para grandes grupos, perfeito para um casal! 
19.   Olmsted (659 Vanderbilt Ave, Brooklyn – 718.552.2610): para começar eles tem um dos jardins/hortas mais fofos da cidade! Some isso ao fato de que a cozinha deles é inventiva, no conceito “farm-to-table”, com pratinhos feitos para serem divididos... Você prova de tudo um pouco e sai daqui feliz! Amamos a experiência!
20.   Pure (766 9th Ave – 212.581.0999): em NYC eu acabei descobrindo que amo comida Tailandesa! E esse restaurante no coração do Hells Kitchen é maravilhoso, tem preço ótimo e é super descolado! Comece pedindo o “Steamed Beef Buns” (sério uma das melhores coisas que comi na vida!) e depois peça o “Wok Basil with Chicken” e o “Pad Thai with Shirimp”... absolutamente divino!

Friday, March 3, 2017

Apple Bites Goes to Vermont

Ahhhhh quem está acompanhando a gente no Snap vou que tiramos uma semana de férias agora no Carnaval para esquiar em Vermont! E a viagem foi muito incrivel! Queríamos esquiar num lugar próximo de NYC (no caso dirigimos 4 horas), numa estação menor e amigável (já que ia ser a primeira vez do Fred esquiando) e numa cidade charmosa! O que acabou determinando o lugar que escolhemos foi o fato de encontrarmos um hotel que amamos e que aceitava cachorros!!!! Acabamos vindo parar em Manchester, VT! Uma cidade hiper charmosa em Vermont! O mais legal é que a cidade é super Central e fica próxima a 3 ski resorts: Bromley, Magic Mountain e Stratton! Então aqui vão as dicas dessa viagem!!!


Melhores épocas do ano: é muito pessoal, resolvemos fazer essa viagem para esquiar, então escolhemos o inverno! Mas essa região de Vermont é belíssima também no Outono porque as árvores ficam num colorido incrível!

Estadia: ficamos no Taconic Hotel! Super bem localizado e novinho em folha! Amamos essa cadeia de hoteis (Kimpton) e recomendo demais! Serviço impecável e hiper amigáveis com cachorros (não cobram nem adicional na diária para os dogs)!

Restaurantes: para a primeira refeição do dia acabamos comendo alguns dias no próprio restaurante do hotel, que é fantástico por sinal (The Copper Grouse)! Mas conhecemos também um lugar fenomenal que só funciona no Café da Manhã e fica no centro de Manchester e se chama Up For Breakfast! Nem preciso dizer que é imperdível (importante eles só aceitam dinheiro!). Para o almoço comemos na maior parte dos dias na própria estação de ski, mas recomendo muito o Bob's Diner: um típico diner de estrada que tem uma comida deliciosa e vale super para o almoço! Além de 2 dias que comemos no hotel (e amamos... vide acima!) tivemos surpresas fantásticas no jantar! E diria que os 3 restaurantes são imperdíveis!!! Primeiro o The Silver Fork que é sensacional e apesar do menu hiper extenso, simplesmente acerta em todos os pratos! Importante: o restaurante é super renomado na região e muito pequenininho: portanto tem que reservar com antecedência! Não esqueça de pedir o soufflé de sobremesa que é maravilhoso!!! O segundo restaurante que fomos no jantar foi o Ye Olde Ye Olde Tavern, que foi outra surpresa maravilhosa dessa viagem! A casa aonde o restaurante está instalado e de 1790, ou seja, tem mais de 200 anos! Além da viagem no tempo e do clima romântico, a comida estava muito muito boa (atenção especial ao Mac And Cheese, literalmente o melhor que já comi em toda a minha vida)! Pra finalizar com chave de ouro escolhemos outro restaurante hiper especial que fica um pouco mais distante e se chama Solo Farm and Table! O restaurante é de um casal que se mudou de NY e a comida e o ambiente são mais do que especiais!!!


Ski: como falei no começo o meu marido está aprendendo a esquiar! Fazia bastante tempo que a gente queria programar uma viagem para ele aprender! Eu não achava certo ir para o Colorado ou outras regiões comparáveis de primeira porque são viagens muito mais caras e que só valeriam a pena se o Fred já esquiasse para valer. Por essa razão optamos por Vermont, numa combinação de fatores: destino próximo a NY, hotel que aceitava cachorros, ingressos para o lift da estação de esqui super em conta e o mais importante aulas de esqui particulares a um preço justo! Dentre as 3 opções de estações que mencionei anteriormente, selecionamos Bromley por ser a mais familiar e com menos movimento durante a semana: e amamos!!!! Importante, é uma estação bastante pequena, mas que oferece desafios para todos os níveis de esquiadores. Mas ainda assim é pequena. Para quem tem crianças a estação foi eleita uma das melhores para familias! Agora a vantagem de ficar hospedado em Manchester é justamente oferecer 3 estações de esqui diferentes, todas a menos de 30 mins do hotel!

Thursday, March 2, 2017

Tudo o que mais amo em NY - 2016 Edition

Na virada do ano passado eu contei no Snap sobre os restaurantes, comidinhas e programas que mais tinha amado em 2016! Eu tinha prometido que eu ia postar esses vídeos aqui porque as 3 listinhas são bem úteis para quem vai visitar a cidade!!!


Aqui vão as menções que fiz no video!!!!

OS MELHORES RESTAURANTES:
1. Restaurante do ano: DECOY
2. Experiência gastronômica: BLUE HILL AT THE STONE BARNS
3. Custo/Benefício: RED FARM
4. Baratinho e saudável: SWEETGREEN
5. Brunch: LAFAYETTE e REYNARD
6. Happy Hour: MERMAID INN e BLUE RIBBON SUSHI @ HUDSON EATS
7. Fast Food: SHAKE SHACK e CHICK-FIL-A
8. Burger: BAREBURGER
9. Sobremesa: LE COQ RICO
10. Surpresa do Ano: CASA ENRIQUE
Menção Honrosa: PEARL OYSTER BAR

OS MELHORES PROGRAMAS DO ANO:
1. Top of the Rock
2. Reservoir Jackie Kennedy Onassis
3. Neue Galerie
4. Washington Square Park
5. Ponte do Brooklyn e DUMBO
6. Passeio de Veleiro até a Estátua da Liberdade
7. NY Philharmonic
8. NY Public Library
9. Ver um jogo dos Yankees
10. Bethesda Fountain

AS MELHORES COMIDINHAS: essa sessão é só um bônus para aquelas horinhas que você só quer um lanchinho ou uma recompensa ou um pequeno pecado! Melhor jeito para entender é assistir ao vídeo!
1. Hotdog de carrinho: qualquer carrinho de rua!!!
2. Babka de Chocolate da Breads Bakery
3. Red Velvet Cupcake com Cream Cheese Icing da Magnolia Bakery
4. Vanilla Milkshake do Shake Shack
5. Cappuccino do Joe Coffee
6. Coffee Frozen Yogurt do Forty Carrots
7. Sugar and Cinnamon Donut da Doughnuttery
8. Chocolate Cookies da Culture
9. Almond Croissant da Petrossian Bakery
10. Supa Dupa Green Juice do Juice Generation

J.Crew Style Hacks

O meu amor pela J.Crew não é nenhuma novidade! Eu amo a marca, sempre acho peças legais para complementar os meus looks de trabalho e de final de semana, e o melhor: eles têm sempre as melhores liquidações!!! Mas hoje em vez de mostrar peças incríveis e que estou amando, vou mostrar uma série de vídeos muito muito legais com truques de styling!!!!

Tem bons truques nos 3 vídeos!!!!! Inclusive a forma de se amarrar a bandana/lencinhos! Trust me: essa vai ser a nova moda do verão!




Monday, February 20, 2017

Apple Bites: 10 restaurantes que visitei no inverno!

Faz um tempo que estou devendo uma listinha dos restaurantes que andei visitando nesse inverno e vou dizer: está dificil de escolher meus preferidos! Quem me acompanha faz tempo sabe que amo comer e levo bem a sério esse meu hobbie. No ano passado soltei algumas listinhas muito boas e já que os ares da primavera começaram a soprar nesse final de semana, vou aproveitar para soltar a listinha com as últimas descobertas! Só para reiterar, aconselhor fazer sempre reservas se for possível e estou incluindo o link de cada um dos restaurantes para vocês poderem explorar melhor ;-)


1.       King (18 King Street): esse restaurante pequenininho que fica no limite entre o Soho e o West Village é simplesmente maravilhoso! Badaladinho, está na agenda de todos que entendem de comida... Amei o ambiente intimista! As três chefs trabalhavam no célebre River Café de Londres...
2.       Flora Bar (945 Madison Avenue): o espaço desse restaurante é fantástico, ele fica dentro do Met Breuer (o novo museu de arte moderna do Metropolitan) num prédio modernista incrível que antes era a casa do Whitney Museum. O restaurateur Thmas Carter e o chef Ignacio Mattos são super conhecidos na cidade (Estela e Café Altro Paradiso também são deles). A chave aqui é pedir todos os pratos para dividir, uma verdadeira coletânea de pratos pequenos maravilhosos! Promote ser o grande hit do verão com o seu espaço aberto...
3.       Aquagrill (210 Spring Street): esse é um velho conhecido por aqui, já escrevi dele num passado remoto (circa 2008/09). Mas a verdade é que para quem ama ostras esse é o melhor Raw Bar da cidade! Tem uma ótima variedade de ostras da costa leste e oeste! Recomendo muito para o Brunch!
4.       Murray’s Cheese Bar (264 Bleecker Street): antes que o inverno vá embora não deixe de passar nesse restaurante charmosinho no West Village para provar o fondue de queijo que é maravilhoso! Se o inverso acabar passando, ainda assim vale a visita porque eles são os maiores especialista de queijo da cidade e tem uma loja incrível de queijos alguns metros para frente na mesma rua, ou seja, a tábua de queijos aqui é imbatível!
5.       Augustine (5 Beekman Street): esse foi um dos melhores acontecimentos da cidade nos últimos tempos! Eu sabia que seria muito bom já que os donos tem também muitos outros hits do passado e do presente da Big Apple (Morandi, Pastis, Balthazar, Schillers, Minetta Tavern...). Mas confesso que ainda assim me surpreendi demais com a comida, com o ambiente, com o atendimento impecável e com a badalação! Sem dúvida alguma a melhor brasserrie francesa da cidade!
6.       Lupa (170 Thompson Street): demorei séculos para dar o braço a torcer e visitar o Lupa! Tenho uma mega birra com o Mario Batalli (por causa de uma má experiência no Babbo), mas já que esse é o italiano preferido de muitos que conheço resolvi dar uma chance! E ainda bem que dei, poruqe realmente ele está entre os melhores que já visitei na cidade! Atendimente fenomenal, comida fenomenal, vinho fenomenal! Noite top!
7.       L’Artusi (228 W 10th St): continuando o tema italiano, esse foi outro italiano que estava na minha lista há tempos e não tinha visitado ainda! Bem badalado, comida fantástica! Recomendo demais! Amamos tudo! Fantástico para o jantar!
8.       Sushi Yasuda (204 E 43rd Street): quando vários conhecedores de comida japonesa te dizem para visitar um restaurante, você tem que ir! Essa era uma referência que sempre recebia todas as vezes que mencionada a culinária japonesa em NY e fiquei muito feliz de ter ido. O ambiente absolutamente minimalista japonês faz o clima e o menu degustação foi maravilhoso! Vamos voltar com certeza!
9.       The Beatrice Inn (285 W 12th Street): esse restaurante renasceu das cinzas... Inicialmente era um lugar importante do party scene, famoso pelas noitadas! Mas agora ele renasce como um restaurante especializado em carnes assadas! E falando na especialidade deles, recomendo muito o Sunday Roast (tradição britânica de se comer um bom assado aos domingos) que tem um menu especial todos os domingos!
10.   White Gold Butchers (375 Amsterdam Avenue): a mais nova empreitada da April Bloomfield (aka Spotted Pig e The Breslin) veio numa hora perfeita em que o Upper West Side estava sentindo falta de um lugar com sanduíches fantásticos! Além dos sanduíches maravilhosos, o restaurante também é um açougue fantástico!